Cidadania portuguesa: os documentos | Do trabalho pra casa
Do trabalho pra casa

Cidadania portuguesa: os documentos

Tem uma coisa no seu processo de cidadania portuguesa que valerá mais que gasolina: o assento de nascimento do português. E, dependendo do caso, pode dar mais trabalho para tirar do que encontrar combustível na greve! Mesmo que você não tenha o documento, é necessário saber os principais dados de quem vai o início da sua cidadania. Você precisa saber o nome, a filiação, data de nascimento, concelho (assim mesmo, com C) e freguesia. Com essas informações, já fica bem mais fácil.

No site do Consulado de Portugal é possível acessar a lista de documentos, levando em conta o processo que você se encaixa (clique aqui para saber mais). Mas "voltando a fita", antes de pedir o reconhecimento da cidadania, volto no assunto importante: você tem o assento de nascimento do cidadão português?

Como mencionei no primeiro post da série, eu não tinha muitos documentos. A minha busca começava com o panfletinho entregue no velório da minha bisa e o depoimento das minhas tias-avós. Todo mundo sabia que Maria era portuguesa, só não sabiam de onde. Uns diziam que era de Lisboa, outros só que era de Portugal. Não tínhamos um documento que mostrasse de onde ela realmente era.

Para não dizer que eu estava 100% desamparada, meu tio João, irmão do meu avô, disse que a certidão de casamento dos meus bisavós estava em Boa Esperança do Sul – SP. No entanto, com as informações vagas que eu tinha (e a má vontade do pessoal do cartório), ninguém conseguia localizar documento algum.

Aliás, fazendo um adendo aqui: se prepare. Você encontrará gente nos cartórios que vai te ajudar, mas tem uma turminha que não é fácil. Tudo é absurdamente caro, qualquer coisinha sai por R$200. E não fazem a menor questão de serem simpáticos ou solícitos. É desesperador.

Eu cheguei a considera contratar alguém que fosse profissional e tivesse experiência em cidadania portuguesa. Para minha tristeza, os escritórios que me atenderam no Brasil não tiveram muita vontade, apesar de cobrarem de R$9 mil pra cima. E depois de muito aguardar e implorar por respostas que não vinham, resolvi que correria atrás desses documentos sozinha.

Durante minhas "andanças pela internet", encontrei o pessoal do fórum Geneall. E foi nesse site, onde pessoas maravilhosas* oferecem ajuda gratuitamente, que eu aprendi minha primeira lição: a paciência é essencial nesse processo. A ansiedade estava quase me levando a gastar um dinheiro que eu nem tenho. Mas quando me dei conta de que eu precisava de ajuda, que não resolveria as coisas na base da moeda, que meu processo começou a andar.

Eu, honestamente, não sei as profissões das pessoas desse fórum. Se elas são genealogistas ou apenas entusiastas. Mas eles não só me ajudaram a encontrar os documentos que eu precisava pra cidadania, como me convenceram de que tudo deve ser feito na base do passinho. Quantas e quantas vezes pensei em chutar o balde, só para ler no tópico "vá com calma", ou "tenha paciência". E é bem assim mesmo.

Dicas para encontrar os documentos da cidadania

Durante nossas conversas, a pessoa que mais me ajudou a encontrar os documentos da cidadania me mostrou que nós temos os documentos. Só precisamos saber procurar.

Comece por documentos do descendente direto. No meu caso, meu avô é o filho da portuguesa. Então é por ele que eu tenho que começar. Olhando certidão de nascimento e casamento, certidão de óbito da mãe dele. É bem comum aparecer apenas como Portugal, mas num documento apareceu "Valle di Cambra, Loris Salles, Ponebal". Como eu já tinha lido alguns nomes, fez sentido que Loris Salles fosse Louriçal e Ponebal fosse Pombal. Eu demorei para fazer esse processo e já estava frustrada com a falta de informações. Mas olhar os documentos que temos aqui no Brasil é um passo importante e teria me poupado muitas dores de cabeça.

Você também pode procurar por informações no Family Search, um site que armazena documentos de muitos anos atrás. Nesse site, a pessoa que estava me ajudando localizou o documento do meu tio-bisavô, que teve convivência com a minha família. Imaginem a alegria do meu avô quando minha mãe mostrou a foto do tio dele.

cidadania-portuguesa-os-documentosConversar com gerações mais próximas do português/da portuguesa também é uma opção. O irmão do meu avô mencionou a certidão de casamento em Boa Esperança do Sul. E ela realmente estava lá! Mas só consegui pega-la depois que saiu a certidão de óbito da minha bisa. Lá tinha o protocolo do cartório, avisando ao de Boa Esperança que Maria havia falecido em Itápolis. E eles não tiveram mais como se negar a pegar o documento.

Por fim, se mesmo com essas dicas você ainda não encontrou, se joga no fórum. O pessoal do Geneall é muito bacana e vai te ajudar a conseguir sua cidadania. Mas lembre-se que são pessoas boas, que querem ajudar. Coloque todas as informações que você tiver no tópico, seja sempre cordial, paciente e responda com carinho às perguntas. O trabalho que fazem lá é muito bacana e vale muito ser reconhecido.

Boa sorte!

*não sei se as pessoas querem ser expostas, então optei por não citar nomes.

Cidadania Portuguesa: as transcrições
Cidadania portuguesa: você tem direito?
Cidadania portuguesa: o começo